sexta-feira, 8 de outubro de 2021

Semurb desocupa área de preservação permanente na Praia do Forte

  

A Secretaria de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb) promoveu no início da tarde desta sexta-feira, 8, a desocupação de uma área de restinga na praia do Forte, Zona Leste da capital. A fiscalização ambiental notificou 19 ocupantes e removeu seis barracas, que estavam sendo erguidas no local. As demais deverão ser removidas espontaneamente até a próxima quarta-feira, dia 13.

 O supervisor geral de Fiscalização Ambiental da Semurb, Leonardo Almeida, que coordenou a operação, explica que o local não pode ser ocupado sob qualquer pretexto porque é uma área de restinga, de preservação permanente, inclusive local de formação de ninhos de tartarugas. Segundo ele, era uma extensa área que estava sendo degradada com a retirada da vegetação de restingas, responsável pela fixação das dunas, como capim de praia e salsinha de praia.

  “Encerramos essa ocupação e todo o material que estava sendo usado para construção das barracas foi entregue à Urbana, como paus, lonas e telhas que eram usados para construção precária das barracas”, pontua o supervisor.

 Ao todo eram 21 ocupações, mas somente 19 pessoas foram notificadas e duas não foram intimadas porque não estavam na praia no momento da ação. A partir deste sábado, os que permaneceram no local terão até a próxima quarta-feira,13, para fazer a desmobilização de todo o material das barracas.

 Segundo Almeida, eles poderão trabalhar com um ponto base de um guarda-sol e o limite de até 10 jogos de mesas e cadeiras. Esse limite foi estabelecido até que a Secretaria faça o estudo de capacidade de suporte e indique quais áreas poderão ser exploradas na Praia do Forte.

 A ação contou com o apoio da Guarda Municipal, Urbana e das secretarias de Serviços Urbanos (Semsur) e Mobilidade Urbana (STTU).

 

Santa Catarina

 Uma outra ocupação irregular em área pública nas proximidades do Hospital Santa Catarina, no bairro do Potengi, Zona Norte de Natal, foi desmobilizada pela manhã. No local existiam sete barracos construídos com lonas, pedaços de madeira e outros materiais, dos quais quatro em estágio de montagem e três em fase de acampamento já com pessoas residindo.

 As pessoas que estavam na ocupação foram notificadas sobre a retirada e receberão atendimento da Secretaria de Trabalho e Assistência Social (Semtas). O prazo para a saída das famílias é até a próxima sexta-feira (15) para que o Serviço Especializado em Abordagem Social e do Centro de Referência Especializado para Pessoas em Situação de Rua possam prestar atendimento a essas pessoas.