quinta-feira, 23 de dezembro de 2021

Ademir Freire “desmente” policiais e diz que pagamentos de diárias operacionais estão em dia

 


O secretário de planejamento do Governo do RN, Ademir Freire, disse nesta quinta-feira (23), durante entrevista para a Rádio 98 FM, que as diárias operacionais dos policiais e agentes de segurança “estão em dia”. Ainda segundo o auxiliar da Governadora Fátima Bezerra, estava “sobrando dinheiro na pasta da segurança pública”, por isso o Governo resolveu retirar R$ 11 milhões do orçamento da segurança, na última sexta-feira (17), e remanejar para a educação.

 “Se não tivesse remanejado para a educação, esses recursos iriam morrer, porque não há problema de diárias operacionais. As diárias estão em dia!”, garantiu Ademir.

 A informação vai de encontro à cobrança feita há dois dias pelos policiais penais do RN. Em nova nota, além do pagamento, a categoria relatou falta de alimentação e até água.

 Confira a nota na íntegra:

 Os Policiais Penais do Rio Grande do Norte mais uma vez estão com suas Diárias Operacionais em atraso. Até esta terça-feira, dia 21 de dezembro, o Estado não apresentou nenhuma perspectiva de quitar as DOs de novembro.

 

Além disso, também não há previsão de regularização do le card, que é o cartão de alimentação da categoria. Dessa forma, em algumas unidades, os Policiais Penais estão trabalhando sem alimentação e, inclusive, há registro até da falta de água.

 “Apesar das nossas cobranças constantes, não tivemos nenhuma previsão, passando a ser humilhante essa situação. Estamos acompanhando o esforço da SEAP em fazer mídia positiva com o trabalho dos presos fora das unidades, mas para esse trabalho ser feito, vale lembrar, necessita-se dos Policiais Penais, que estão fazendo escolta externa e muitos por meio de Diárias Operacionais, já que não há efetivo suficiente. Por isso, cobramos que a SEAP e Seplan resolva essa situação”, afirma Vilma Batista.

 A presidente do Sindppen-RN acrescenta: “Nossa maior preocupação, neste momento, deveria ser o reforço na segurança das unidades prisionais, e não a falta de alimentação, falta de efetivo e os pagamentos atrasados. Os Policiais Penais trabalham com efetivo reduzido, o que gera grande tensão, principalmente, nesta época do ano. Nós do sindicato cobramos várias vezes esse reforço na segurança, tanto à SEAP quanto ao Governo do Estado, mas ainda não obtivemos resposta”.