quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Áudios revelam que Bolsonaro mentiu ao negar conversas com Bebianno

A demissão do ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República Gustavo Bebianno pelo presidente Jair Bolsonaro foi precedida por uma discussão longa por meio do aplicativo Whatsapp, com troca de acusações entre eles, relacionadas à TV Globo, a uma viagem à Amazônia, revelada pelo Estado, e ao caso das candidatas laranjas do PSL, partido de ambos. 

Os áudios, datados de 12 de fevereiro, terça-feira passada, foram publicados ontem pela imprensa nacional e desmentem a versão do presidente, de que eles não haviam conversado naquela data. Bolsonaro disse em entrevista à Record TV que era mentira que eles houvessem mantido um diálogo antes da alta hospitalar. Os áudios revelam o contrário. 

Na conversa por mensagens de whatsapp, Bolsonaro trata a TV Globo como “inimiga” e manda o agora ex-ministro cancelar uma audiência com um representante da direção da empresa, no Palácio do Planalto. Ele receberia o vice-presidente de Relações Institucionais do Grupo Globo, Paulo Tonet Camargo, mas disse que não queria o executivo da Globo, chamado pelo presidente de “esse cara” dentro do Palácio do Planalto. 

O presidente também fez restrições a uma viagem à Região Norte, e falou do caso das candidaturas lanajas do PSL, tendo ouvido do Bebiano que em Pernambuco o responsável pelo escândalo era Luciano Bivar, presidente do PSL.